Sócrates: pai da filosofia

Filósofo de Atenas no período clássico da Grécia Antiga, Sócrates nasceu por volta do ano 469 ou 470 a.C, e é lembrado como um dos fundadores do pensamento filosófico do Ocidente. Sua figura é conhecida somente pelos relatos feitos por escritores que foram seus discípulos na ocasião, como é caso de Platão e de Xenofonte, por exemplo.

O pensamento de Sócrates não somente foi relevante para os estudos sobre ética, mas o filósofo responde pelos conceitos da ironia e o método socrático, amplamente utilizados na epistemologia e na lógica do modo como são pensadas atualmente. No período greco-clássico, os atenienses não tinham por hábito o trabalho como forma de sobrevivência e de sustento. Mas, embora a família de Sócrates não fosse de escravos, também não era abastada, e estava sempre em busca de trabalho. Sócrates não frequentou a escola, levava uma vida simples e não se saiu bem no ofício de artesão, também exercido por seu pai.

Após consultar um famoso Oráculo na companhia de  um amigo, Sócrates se surpreendeu, pois, o amigo perguntara ao adivinho quem era o homem mais inteligente do mundo, e o Oráculo disse que se tratava de Sócrates. Incrédulo, Sócrates junta suas economias e recorre a um professor muito inteligente e toma aulas com ele, mas, a cada afirmação do professor, Sócrates lhe lançava um questionamento, a que o professor acabava sem resposta. Decepcionado, Sócrates pediu mais dinheiro ao pai e saiu em busca de outro professor, todavia, a mesma coisa aconteceu: o professor afirmava algo, Sócrates perguntava o seu porquê e o professor não sanava sua dúvida.

Sempre em busca de respostas, Sócrates passou a conversar com as pessoas e a fazer suas descobertas por conta própria. Conhecida como dialética, a arte de adquirir o aprendizado pela prática de conversar e trocar ideias como os outros, foi desenvolvida por Sócrates. Tendo entendido sua capacidade nata de aprender as coisas por si mesmo, repassando-as aos outros e ajudando a alcançar soluções para os problemas das pessoas, diminuindo suas aflições, essa perspectiva maiêutica é também de Sócrates, e reside basicamente na transmissão de conhecimento adquirido para os que necessitam, a fim de sanar suas dores.

Sócrates não cobrava por suas aulas e, com o passar do tempo , ganhou muitos discípulos, em todos os lugares que frequentava. Acusado de charlatão, herege e subversor da ordem, ao se negar a enterrar os mortos da guerra, quando fora general de uma multidão de homens, preferiu retornar a Atenas com os sobreviventes. E, nessa ocasião, ainda que Sócrates tivesse convencido a todos de que aquela era a melhor decisão a ser tomada; ele foi condenado ao exílio eterno ou ao corte de sua língua para que não ensinasse aos outros. Sócrates preferiu a morte, bebendo veneno, mas fazendo com que seus ensinamentos não morressem, já que tinha repassado seus saberes a muitos seguidores até seu trágico fim. A filosofia socrática influencia o mundo até hoje e suas ideias permitiram o desenvolvimento do pensamento crítico do ser humano ao longo dos tempos.
 

Deixe uma resposta

Fechar Menu